terça-feira, 9 de junho de 2009

Apresentação da Mostra fotográfica


São Paulo – Do Pau-a-Pique ao Concreto

Apresentação da Mostra fotográfica


Esta mostra fotográfica pretende expor um pedacinho da maior cidade da América do Sul e de sua história, fazendo com que as pessoas possam entender um pouco mais sobre esta importante metrópole, uma das cidades mais populosa da América Latina. A mostra acontece justamente pelos seus números, às vezes assustadores outros prazerosos. Tudo nesta cidade é absurdamente grande! Neste caso, apesar de jornalista acostumado com esses números, (congestionamentos, criminalidade, poluição, indigência, corrupção etc.), foquei a lente para a imensidão, o concreto, a magnitude da cidade, sem entrar nos vários temas de cunho social, que provavelmente, abordarei num futuro próximo.
Sampa, o apelido carinhoso da cidade, conhecida por todos os que passam por ali e por seus 11 milhões de habitantes. O cosmopolitismo de seu povo se reflete em sua gastronomia altamente diversificada e de alta qualidade, servida em quase trinta mil estabelecimentos, assim como nas inúmeras opções culturais e de entretenimento em trinta e nove centros culturais, nove salas de concerto, quarenta e quatro parques, mais de quatrocentos teatros e cinemas, e cento e vinte e quatro museus. Enfim, a grande motivação de fazer esta mostra fotográfica é realmente passar para as pessoas, que não conhecem a cidade de São Paulo, que elas podem encontrar coisas lindas em meio ao caos da capital paulista, e também podem conhecer e desfrutar de muitas coisas que a cidade oferece. Sobre o ponto de vista daquelas pessoas, talvez mais desavisadas, que ainda pensam que todo brasileiro vive na selva ou então acreditam que o Brasil é a cidade do Rio de Janeiro, esta é, sem sombra de dúvida, uma ótima oportunidade para conhecer um pouquinho mais desta parte do mundo, e certamente, viajar por meio das imagens desta selva, a selva de pedra, a do caos de uma grande metrópole, a selva sem árvores e sem animais selvagens... A idéia aqui é tentar romper a invisibilidade com imagens feitas em preto e branco, todas fora do formato padrão (35 cm x 1,0 m), que selecionei para esta mostra.
Não poderia escrever sobre a minha cidade sem ser por onde tudo começou de fato.

História da Cidade - Pátio do Colégio (1554) – No Pátio do Colégio relembramos as origens da cidade de São Paulo, hoje considerada a terceira maior do mundo, e cujas marcas estão claramente fixadas no encontro de raças e na expansão do cristianismo. Sob os olhares curiosos dos Guainás e Tupiniquins, um grupo de padres da Companhia de Jesus, da qual faziam parte José de Anchieta e Manoel da Nóbrega, escalaram a Serra do Mar chegando ao planalto de Piratininga. Do ponto de vista da segurança, a localização topográfica de São Paulo era perfeita: situava-se numa colina alta e plana, cercada por dois rios, o Tamanduateí e o Anhangabaú. A famosa missa de 25 de janeiro de 1554, na verdade corresponde ao dia da conversão do apóstolo Paulo que, por sua vez, justifica o nome dado à cidade. Desde então, essa solenidade constitui a certidão de nascimento da cidade de São Paulo.
São Paulo do Pau-a-pique ao concreto é a maior cidade do país, com uma área de 1525 km2. Muita coisa mudou desde que São Paulo era um pequeno amontoado de casas feitas de barro, de onde partiram os bandeirantes rumo a Minas Gerais em busca do ouro, e onde os jesuítas encontraram um "clima fresco" semelhante ao europeu e fundaram o Real Collegio, (Colégio). O "pequeno amontoado" de casas tornou-se uma metrópole com mais de 11 milhões de habitantes e uma das mais populosas do mundo. O clima fresco de 451 anos atrás hoje está bem mais quente, por causa do concreto, da impermeabilização do solo, dos automóveis, da escassa arborização, da ignorância e da falta de atenção do homem. A poluição corre nas veias do paulistano que muitas vezes confessa sua incapacidade de viver longe da sua megalópole natal, como uma necessidade vital de reabastecer-se de toda esta carga de estresse. A vida sem Sampa se torna vazia.

Até 1876 a população local era de 30 mil habitantes. Com a expansão da economia, graças especialmente ao café, em menos de vinte anos este número pulou para cento e trinta mil. Em 1901, foi aberta a avenida mais conhecida da cidade, Avenida Paulista, a primeira via planejada da capital, e que se tornaria o endereço dos barões do café. O engenheiro responsável pela obra, Joaquim Eugênio de Lima, profetizava que ela seria "a via que conduziria São Paulo ao seu grande destino".

Outras grandes obras, como a Estação da Luz e o Teatro Municipal, comemoraram a entrada no século XX e marcaram uma nova fase na vida da cidade. São Paulo se industrializava e recebia sua primeira leva de imigrantes dos diversos países da Europa e também do Japão, que adotaram uma nova pátria, fugindo das guerras. Entre os anos de 1870 e 1939, dois milhões e quatrocentos mil imigrantes entraram no estado de São Paulo, segundo dados do Memorial do Imigrante. Setenta etnias e diversas culturas, terceira maior cidade italiana do mundo, maior cidade libanesa, japonesa, portuguesa e espanhola fora desses respectivos países. Uma sociedade ecumênica, que convive em harmonia. O multiculturalismo faz com que São Paulo fale muitos idiomas, encurtando a rota do entendimento e da colaboração entre os povos. Italianos, japoneses, espanhóis, libaneses, alemães, judeus entre outras dezenas de nacionalidades, se estabeleceram em comunidades em São Paulo e contribuíram para que a cidade se tornasse um rico centro cultural e um exemplo para o mundo de como os povos com histórico de guerras e disputas de diversos gêneros, podem viver, sim, em paz e harmonia. Isso sem falar dos migrantes, que ainda hoje saem de seus estados e municípios em busca da 'terra da prosperidade' e do trabalho, onde todos vivem com pressa.
Muitos prosperam na cidade mais rica da América Latina, mas outros tantos engrossam a lista de desempregados, que oscila em torno de 15% da população economicamente ativa. Sem emprego ou em subempregos, essas pessoas entram também na estatística dos habitantes que vivem em favelas – mais de um milhão, de acordo com dados dos órgãos competentes.
Com todos esses grandes números, fica realmente muito difícil mostrar São Paulo com apenas algumas poucas fotos, mas para fazer com que esta mostra fotográfica se realize, escolhi entre tantas, 60 imagens para ao menos tentar passar uma idéia da cidade que muita gente conhece por nome, pela sua importância, mas não a conhece de fato. Na verdade, muitos paulistanos não conhecem completamente a cidade de São Paulo. Em muitos países, 1525 Km² são a totalidade de um território. Na Europa, por exemplo, se percorrermos esta distância, provavelmente atravessaríamos pelo menos dois países.
Sampa, a locomotiva do Brasil, tem que ser vista e conhecida para que as pessoas reflitam sobre os vários aspectos da nossa sociedade e do nosso desenvolvimento que abrange muitos pontos de vista e também do nosso modo de viver e pensar. Quando digo "nosso modo de viver e pensar", digo para todos, de todas as partes do Brasil e do mundo, pois São Paulo é cosmopolita, Sampa é do mundo para todo mundo...

″Os fotojornalistas ganham a vida registrando imagens que contam a história do presente, denunciam as suas injustiças e flagram a sua beleza″.


MAURICÍO MARANHÃO
Mtb. 31459-SP
Jornalista * Repórter-fotografico

Nenhum comentário: